YouTube Facebook Instagram
YouTube Facebook Instagram

  17/06/2020 | 16h43     Atualizado em 17/06/2020 | 16h48

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Sindilojas, apoiado por entidades do comércio, reivindica flexibilização

Com a classificação da região da Serra Gaúcha, reafirmada com bandeira vermelha, entidades do comércio de itens não essenciais buscam o apoio do governo municipal

Assessoria de Imprensa Prefeitura de Caxias do Sul
Assessoria de Imprensa Prefeitura de Caxias do Sul

Discordando da definição de que a região de Caxias do Sul, de acordo com o Distanciamento Controlado do Governo do Estado, se enquadra na bandeira vermelha, o Sindilojas Caxias reivindicou uma audiência com o poder público municipal para que as entidades do comércio pudessem contar com alternativas para atuação e foi atendido pelo vice-prefeito Edio Elói Frizzo.

 

A entidade considera injusto que o comércio seja penalizado por outros segmentos e pelo comportamento da população, já que é o segmento mais afetado pela decisão do governador. Como o comércio está sendo injustiçado pelas regras estaduais, está buscando uma flexibilização das regras estabelecidas para que os estabelecimentos possam se manter.

 

Na reunião, realizada nesta quinta-feira (17/06), o Sindilojas Caxias liderou o encontro com o respaldo das entidades do comércio em nossa cidade. Estiveram presentes a presidente do Sindilojas Caxias, Idalice Manchini, acompanhada pela gerente executiva Lisandra de Bona e os assessores jurídicos Cesar Bisol e Eduardo Bridi, assim como o presidente da CDL, Renato Corso, e representantes de entidades do comércio.

 

As entidades foram recebidas pelo vice-prefeito Edio Elói Frizzo, pelo secretário de Urbanismo, João Uez, e pelo diretor da Fiscalização da SMU, Rodrigo Lazzarotto. Como existe uma preocupação das entidades em auxiliar o comércio varejista não essencial para que os negócios se mantenham mesmo com a ordem do fechamento, foi solicitado ao município para que seja publicado um decreto municipal para regulamentar o recebimento de carnês e os serviços de tele-entrega, take away (pegue e leve) e drive thru ?para comércio de rua, e-commerces locais, centros comerciais e shoppings, considerando que o protocolo estadual só permite entregas feitas pelos Correios, o que limita muito a atuação.

 

Além disso, a exemplo do que ocorreu em março, foi solicitada autorização para receber pagamento de carnês, modalidade usual na comunidade caxiense: "O comércio precisa dessas alternativas para sobreviver, mas para o cliente também é importante contar com esses serviços, enquanto está em casa. Precisamos desse Decreto para minimizar os efeitos dessa crise que não tem precedentes em nosso segmento", afirma a presidente do Sindilojas Caxias, Idalice Manchini.

 

O vice-prefeito Edio Elói Frizzo se solidarizou com a situação agravada do comércio pela bandeira vermelha e afirmou que tem consciência das consequências de fechar as portas aos consumidores para a economia da cidade com demissões e extinção de pontos comerciais. Ele afirmou que o município é parceiro do comércio para buscar essa reivindicação com o governador Eduardo Leite, por meio da Secretaria Estadual de Saúde, e solicitou que o Sindilojas Caxias elabore uma correspondência descrevendo todas as solicitações feitas na reunião.

 

Com esse documento, a Prefeitura de Caxias do Sul vai reivindicar essa flexibilização junto ao Governo do Estado, representando o comércio da cidade. "Vamos elaborar esse documento e agilizar essa solicitação porque o nosso pedido não contraria o Distanciamento Controlado por não propiciar aglomerações de pessoas, o que contribui para preservar a saúde dos caxienses, uma prioridade nesse momento", afirmou a presidente do Sindilojas. Para ela, esse é o único caminho para atenuar os prejuízos que o comércio está sofrendo desde que o primeiro caso de coronavírus foi constatado na cidade.

 

Como representante legal do comércio, o Sindilojas Caxias cumpre o papel de orientar sobre as definições do poder público que afetam o dia a dia dos comerciantes. A orientação da entidade é de que seja cumprida a lei. Portanto, é importante alertar que o empresário que não cumprir o Decreto Estadual vai ser notificado pela Prefeitura de Caxias do Sul e se for constatado que mantém o estabelecimento aberto estará sujeito a multa, que varia de R$16 mil a R$35 mil reais.

 

Denúncias sobre descumprimento do fechamento do estabelecimento e também sobre a presença de ambulantes no centro da cidade devem ser feitas ao Alô, Caxias, serviço de ouvidoria da Prefeitura de Caxias do Sul, pelo telefone 156.

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia