YouTube Facebook Instagram
YouTube Facebook Instagram

  13/07/2020 | 17h50     Atualizado em 13/07/2020 | 18h03

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Região de Caxias do Sul retorna à bandeira vermelha

Comércio pode manter 25% dos trabalhadores, tanto no comércio de rua quanto em shoppings, para atender comércio eletrônico e a tele-entrega

Divulgação
Divulgação

O governo do Estado divulgou que a região de Caxias do Sul na décima rodada do modelo de Distanciamento Controlado ficou classicada com à bandeira vermelha. Governador Eduardo Leite confirmou a classificação na tarde desta segunda-feira, 13. 

 

Com essa definição, o Sindilojas Caxias, como representante legal do comércio, alerta que o Estado fez um ajuste no protocolo, o que permite aos comerciantes manter em funcionamento o comércio eletrônico e a tele-entrega com 25% dos trabalhadores como modalidade exclusiva de atendimento para comércio de rua e shoppings.

 

Essa mudança atenua, mas não resolve os prejuízos do comércio revelados pelo desemprego e pela crise econômica com perdas desde a propagação da COVID-19. Com a decisão, o Estado determina que o comércio mantenha as portas fechadas para o atendimento presencial ao cliente, a partir da próxima terça-feira (14.07), contabilizando as perdas que se acumulam diariamente.

 

Na décima rodada do Distanciamento Controlado, o Estado considerou o risco epidemiológico para o coronavírus e manteve a classificação como bandeira vermelha. O ponto positivo é que o governador se sensibilizou com o comércio e atendeu o pedido feito pelo Sindilojas Caxias e as entidades do comércio da cidade por meio da Prefeitura de Caxias do Sul à Secretaria Estadual de Saúde para permitir o comércio eletrônico e a tele-entrega na bandeira vermelha.

 

Assim, 25% dos funcionários terão permissão para permanecer trabalhando para atender essa demanda.  O comércio varejista não essencial também poderá funcionar no sistema de pegue e leve na bandeira vermelha. Para a presidente do Sindilojas, Idalice Manchini, ao aceitar essa sugestão o Estado atenua a preocupação com os postos de trabalho, mas não resolve tudo: "As perdas para o comércio estão se acumulando e vamos cumprir a ordem do Estado. Esperamos que o comércio eletrônico dê fôlego para a sobrevivência do setor nesse período", argumenta. "Com a nova resolução, que é uma reivindicação nossa desde o início do modelo de Distanciamento Controlado, o cliente pode contar com a opção de comprar do comércio local com entrega facilitada, possibilitando que a economia não pare totalmente", pondera a presidente.

 

Ela também demonstra preocupação com os surtos que estão ocorrendo na cidade em diversas atividades econômicas e pontua a necessidade de observar os protocolos de saúde para evitar um agravamento da situação.

 

Contrário à classificação com bandeira vermelha, o Sindilojas Caxias recomenda aos comerciantes para que cumpram a orientação do Estado de manter o estabelecimento do comércio varejista não essencial com 25% do efetivo, atendendo ao comércio eletrônico e tele-entrega, até novo anúncio de atualização da bandeira, que será feito pelo Governo do RS.

 

Denúncias sobre descumprimento do fechamento do estabelecimento e também sobre a presença de ambulantes no centro da cidade podem ser feitas ao Alô, Caxias, serviço de ouvidoria da Prefeitura de Caxias do Sul, pelo telefone 156.

 

Dentre os ajustes feitos no Distanciamento Controlado, o governo definiu que as regiões classificadas com cor vermelha não poderão ter regras mais brandas que as estipuladas em decreto estadual, portarias da Saúde e protocolos segmentados.

 

A flexibilização disposta no Distanciamento Controlado aos municípios será permitida apenas em situações de bandeiras amarela e laranja. No caso de medidas mais restritivas, os municípios podem adotar independentemente da cor em que estiverem.

 

Além disso, existe uma regra que determina que regiões classificadas em bandeiras preta ou vermelha no mapa definitivo por dois períodos consecutivos ou alternados, dentro do prazo de 21 dias, precisarão de duas semanas consecutivas com bandeiras menos graves para que possam efetivamente obter redução no nível de risco. O objetivo deste gatilho de segurança é o de assegurar e caracterizar a efetiva melhora nas condições de uma região.

 

A partir da sétima rodada, os municípios em região de bandeira vermelha que não tenham registro de hospitalização e óbito por Covid-19 (considerado o município de residência) nos 14 dias anteriores à apuração das bandeiras poderão adotar, por meio de regulamento próprio, protocolos para as atividades previstos na bandeira laranja, desde que mantenham atualizados os sistemas de informações oficiais (Sivep e E-SUS).

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia