YouTube Facebook Instagram
YouTube Facebook Instagram

  15/10/2020 | 13h30     Atualizado em 15/10/2020 | 13h31

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Instituto SAMbA recebe Bozó Bacamarte

Monique Silva
Monique Silva

Depois das atividades com o artista Romildo Rocha no mês de agosto, o Projeto Samba Território-Residência de Artista, concebido pelo Instituto SAMbA, recebe a partir da próxima segunda-feira (19) o artista plástico pernambucano Bozó Bacamarte. Ele participará de uma residência artística no Instituto, produzindo uma obra na sede do SAMbA, e terá atividades com estudantes da rede pública de ensino. Bozó tem uma poética visual carregada de signos e simbologias do imaginário popular e do Movimento Armorial.

 

Focando a arte popular brasileira de temática nordestina, tendo a xilogravura como referência estética e atento às linguagens do grafite e dos murais como meio de expressão e suporte das obras dos artistas convidados, a ação cultural segue com diversas frentes de ação.

 

O Samba Território-Residência inclui os estudantes da Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Ester Justina Troian Benvenutti. Nas atividades das aulas de Arte realizadas, os alunos do nono ano estudaram a obra de Rocha e Bozó, arte popular e arte urbana e seus contextos. Um encontro on-line está na agenda. Os estudantes também aprenderão a fazer lambes que serão transformados em painéis na rodoviária de Caxias do Sul.

 

Os artistas urbanos caxienses Fernanda Rieta e Maurício Pesk, que integram o Coletivo Rua, grupo ligado às artes urbanas locais, também participam do projeto para ações teóricas e práticas com os estudantes caxienses de acordo com seus vetores de ação e procedimentos sócio-educativos com jovens e crianças. Eles também contribuirão para a produção de fanzines, que farão um registro dessa residência artística. Os zines serão distribuídos de forma gratuita para a comunidade. O material conterá entrevistas e registros escritos e visuais do projeto.

 

O registro audiovisual de toda essa imersão será feito pelo fotógrafo e produtor Rafael Willms. A ideia é ter sons e imagens, impressões e relatos dos agentes envolvidos no projeto e dos diferentes momentos e contextos desses processos. De caráter documental, na perspectiva dos conceitos de territorialidade e percurso já exercitados em outra ações do Instituto SAMbA, os vídeos integrarão o acervo da instituição como registro e memória dessas atividades. 

 

Conceitualmente, o Projeto Samba Território-Residência de Artista aposta na ideia de ocupação do espaço urbano e segue investigando as diferentes estéticas que a xilogravura assume na contemporaneidade a partir das linguagens do grafite e dos murais das artes urbanas, em sintonia com o universo de criação de Romildo Rocha e Bozó Bacamarte. 

 

No contexto geral, a proposta reforça a ação do Instituto SAMbA entorno da arte popular e das artes urbanas, que incluí a vinda do artista Derlon e a realização de um mural fachada da sede do Instituto, bem como viagens de intercâmbio como a visita aos xilogravuristas J. Borges, na região do Caruaru (PE), e Antônio Marinho, em São Luís do Maranhão, realizadas em 2018, dentre outras atividades institucionais.

 

O projeto é financiado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Caxias do Sul, com o apoio cultural das empresas Randon, Fundação Marcopolo, Banco Moneo, Neobus e MG Terminais Rodoviários. Conta ainda com o apoio da Rodoviária de Caxias do Sul.

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia