YouTube Facebook Instagram
YouTube Facebook Instagram

  19/11/2020 | 13h42     Atualizado em 19/11/2020 | 13h44

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Pesquisa da CDL Caxias mostra aumento do ticket médio e redução no número de consumidores na Black Friday

Julio Soares
Julio Soares

O copo meio cheio ou meio vazio. É com esta analogia que podem ser interpretados os dados da pesquisa de intenção de compras para a Black Friday realizada pela CDL Caxias do Sul. O copo meio cheio se refere às informações relacionadas ao ticket médio declarado pelos consumidores, que neste ano é cerca de 12% superior ao de 2019, com os R$ 749,38 declarados como quantia a ser desembolsada. Entretanto, a pesquisa apontou que 61,72% das pessoas não tem a intenção de abrir a carteira neste ano. Em 2019, metade dos entrevistados manifestou interesse de fazer compras na Black Friday. A amostragem foi realizada de 4 a 9 de novembro, e pode ser acessada na íntegra em blog.cdlcaxias.com.br.

 

Oficialmente, a data ocorre na última sexta-feira de novembro, que neste ano será no dia 27, mas quem circula pelas ruas de Caxias de Sul já se deparou com as vitrines decoradas com as cores e cartazes da promoção. 

 

Entre os itens mais mencionados na pesquisa deste ano estão os móveis e eletrodomésticos (40,86%), seguido pela categoria de produtos eletrônicos, smartphones, informática e games (31,18%). Mais da metade das pessoas entrevistadas (52,38%) esperam economizar entre 30% e 49% em relação aos preços em vigor antes da Black Friday.

 

"Essas informações nos mostram que devemos ter um número menor de pessoas aproveitando as ofertas da Black Friday, mas dispostas a investir em itens de maior valor, especialmente para a casa ou para uso pessoal", ilustra o gerente Administrativo Financeiro da CDL Caxias do Sul, Carlos Alberto Cervieri.

 

O dirigente acrescenta que, em função da pandemia, os consumidores reduziram despesas com viagens, restaurantes e entretenimento e que essas reservas poderão ser aproveitadas neste período que inicia com a Black Friday e que se estende até o Natal e festas de final do ano.          

 

"Mesmo assim, não acreditamos que vamos recuperar as perdas que tivemos ao longo do ano, mas são sinalizações de que pode ocorrer uma intensificação dos negócios a partir de 2021", acredita.                       

 

A impressão do dirigente é confirmada na pesquisa, já que 74,82% acreditam na recuperação da economia no final deste ano e o início de 2021. Para 58,9%, o coronavírus não deve afetar a intenção de compras na Black Friday. Sobre a crise econômica causada pela pandemia, 79,31% disseram que não enfrentam dificuldades financeiras em função das restrições às atividades econômicas. 

 

Mesmo com o otimismo demonstrado, a falta de dinheiro ou crédito ainda são apontados como principais motivos para 32,49% dos que responderam que não deverão ir às compras. Entre as opções mais citadas está o fato de os consumidores não estarem precisando de nenhum produto (30,38%) e, ainda, outras prioridades de gastos (19,83%).

 

"O maior problema ainda é a incerteza das pessoas com relação ao futuro, mas muitos consumidores que estão decididos pela compra vão aproveitar as ofertas da Black Friday até como uma forma de se auto presentearem, ou de comprar algo novo para as suas residências", projeta. 

 

Entre os consumidores que manifestaram intenção de compra, 45,89% já se decidiram pelo produto e vão ficar atentos às promoções da Black Friday. 

 

"Um dado que chama atenção é que para 87,07% dos consumidores, o comércio irá fazer ofertas interessantes em função da retração das vendas nos meses anteriores", ilustra Cervieri. 

 

A pesquisa de intenção de compras da CDL Caxias foi realizada com 383 consumidores de diferentes pontos de Caxias do Sul. O levantamento tem índice de confiança de 95% e margem de erro de 5% para mais ou para menos. 

 

Comércio eletrônico na Black Friday       

Entre as perguntas que foram feitas está a relação da Black Friday com o comércio eletrônico e o impacto que a pandemia pode gerar nas entregas. Para 34,25% os possíveis atrasos desestimulam a compra, enquanto que 41,10% manifestaram que deverão comprar pelas plataformas eletrônicas, mesmo com prazos de entrega mais elásticos. Ainda sobre o comércio eletrônico, para mais da metade dos consumidores (53,06%) essa modalidade vai substituir a compra em lojas físicas no período. 

 

Destaques da pesquisa

· 80,73% das pessoas sabem o que é a Black Friday e quando ela ocorre;

· O ticket médio dos entrevistados é de R$ 749,38

· 61,72% não pretendem aproveitar as promoções;

· 32,49% relataram falta de dinheiro ou de crédito;

· 58,9% disseram que o coronavírus não afeta a intenção de compra;

· 79,31% dos entrevistados disseram que o coronavírus não está afetando as finanças;

· 45,89% disseram que já decidiram qual produto irão comprar e que ficarão atentas às promoções;

· 87,07% dos consumidores acreditam que o comércio irá oferecer descontos maiores em função da retração das vendas durante o ano;

·         50% dos entrevistados disseram que vão adquirir itens para o próprio uso;

·         49,19% das pessoas apontou a necessidade de comprar algo novo ou melhor como motivo para aproveitar a Black Friday;

·         88,44% afirmaram que pesquisam os preços antes de comprar;

·         51,02% já sabem o que irão comprar;

·         Móveis e eletrodomésticos (40,86%) são os itens preferidos neste ano;

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia